Cultivar na varanda – 4 regras de ouro!

with 4 comentários

cultivar na varanda

É cada vez mais comum encontrar algumas pessoas que nunca colocaram as mãos na terra, dispostas a cultivar os seus próprios alimentos. Cultivar uma horta tem imensos benefícios, mas é também uma terapia boa que traz vantagens para a saúde.

 

Numa varanda podemos cultivar uma enorme variedade de ervas aromáticas, algumas hortícolas que podem dar aquele sabor único a saladas e até alguns “pequenos frutos” como morangos ou mesmo framboesas

A maior parte das plantas gosta de bastante sol, no mínimo de 5-6 horas diárias, quer seja Inverno ou Verão. Cultivar em varandas viradas a “Norte”, sobretudo no Outono-Inverno, é mais restrito em termos de variedades, uma vez que dificilmente conseguem ter cinco a seis horas de sol por dia.

Existem algumas regras importantes para cultivar numa varanda, sendo necessário alguns cuidados adicionais. saliento aqui 4 regras de ouro: a escolha dos vasos, substratos, variedades de plantas a cultivar e os cuidados de manutenção.

 

 

1. Escolher variedades mais fáceis de cultivar em vaso

Devemos planear os cultivos de acordo com a altura do ano e de acordo com as nossas preferências gastronómicas. Depois devemos também ter em contas as variedades mais adequadas para plantar em vaso.

Podemos semear ou transplantar (plantar mudas de plantas bebés). É importante salientar que algumas variedades de plantas preferem não ser transplantadas. neste caso devemos semear diretamente nos recipientes definitivos (alguns exemplos: rabanetes, rúcula, cenouras e nabos).

Plantas adequadas para plantar em vaso –  Primavera Verão

Ervas aromáticas (salsa, coentros, manjericão, cebolinho, oregãos, salva, segurelha, alecrim). Alface, alho-francês, acelgas, beterraba, curgete, cebolas, espinafres, feijões, malaguetas, pimentos, pepinos, rabanetes, tomates, rúcula e morangos. Podem e devem plantar algumas flores à mistura!

Plantas adequadas para plantar em vaso – Outono-Inverno

Ervas aromáticas (salsa, coentros, cebolinho, oregãos, segurelha, alecrim). Alho, alho-francês, acelgas, cebolas, chicória, canónigos, couves diversas (couve-flor, couve-penca, repolho) ervilhas e favas.

2. A importância na escolha dos vasos

Ao contrário do que muitos possam pensar, o mais importante é o volume total de substrato que um recipiente pode conter e não apenas a profundidade. As plantas mais pequenas, como a alface ou os espinafres, necessitam de menos volume (2-3 litros podem ser suficientes). Outras plantas como pimentos ou tomates necessitam de recipientes com uns 15-20 litros de volume.

Devemos evitar escolher vasos com profundidade inferior a 20 centímetros e o diâmetro deve variar de acordo com o que vai cultivar, mas nunca inferior a 20 ou 30 centímetros de diâmetro”. Devem ser leves, para facilitar o transporte e para não sobrecarregar a estrutura do edifício. Devem ainda ter uma boa drenagem, para eliminar o excesso de água.

Quanto maior for o volume do vaso tanto melhor!

No mercado existem vasos de todo o tipo, em diversos materiais e tamanhos, canteiros e ainda mesas de cultivo. Também podem ser reutilizar garrafões de plástico ou metal ou qualquer outro recipiente que possa servir para plantar, desde que sejam lavados para não conterem qualquer tipo de contaminante.

3. A importância do substrato para plantar em vaso

O substrato deve estar isento de sementes e agentes patogénicos devendo evitar por isso a utilização da terra do campo. Deve ser leve e perfeitamente miscível com outros materiais, ter um ph próximo de 6, ser permeável, possuir uma granulometria que permita um adequado arejamento e absorver facilmente a água quando fica seco.

4. Cuidados importantes de manutenção

Caso se esqueçam frequentemente de regar, podem optar por um sistema de auto-rega. Também é uma boa alternativa para quem vai de férias e não tem quem vá cuidar das plantas. Se não quiserem apostar num sistema automático, podem escolher um sistema passivo, que ajuda a reter a água dentro dos vasos. Poupa em água e sempre que rega não se desperdiça a água em excesso.

É ainda importante não esquecer de alimentar as plantas. Para isso, é necessário acrescentar fertilizante com periodicidade mínima bi-mensal. Para fertilizar, basta acrescentar composto orgânico ou húmus de minhoca ou então fazer a preparação dos vossos fertilizantes em casa – vejam aqui!

Se gostaram deste artigo, vamos colocar mãos na terra e toca a plantar…mesmo que tenham apenas uma varanda!

 

 

Tenho ainda uma sugestão!

Se este artigo vos deixou com vontade de colocar as mãos na terra e iniciar  a vossa horta, tenho um workshop para vos ajudar! Aprendem na prática a cultivar a vossa primeira horta de hortícolas e aromáticas em vasos, varandas, pátios e outros pequenos espaços.

[cliquem na imagem para mais informações]

workshop-a-minha-horta-de-varanda

Follow A Caseiro:

Sou a Caseiro e amo cultivar! Todos os dias cultivo alimentos, mas também experiências novas que me enchem a alma.

4 Responses

  1. Luís Liberal
    | Responder

    Artigos simples mas bem escritos.

    • A Caseiro
      | Responder

      Olá Luís, obrigada 🙂

  2. Sandra Costa
    | Responder

    Caseiro, adoro os teus artigos. Sempre muito simples, com dicas práticas e uteis. E sim, è sempre uma delicia ler os teus artigos, para além de bem escritos, consegues semear o amor pelo cultivo dentro de nós. Grata.

    • A Caseiro
      | Responder

      Olá Sandra 🙂
      Fico contente em saber que gosta de ler sobre as minhas experiências na horta! Com estes artigos pretendo incentivar e inspirar na procura de um estilo de vida mais simples e saudável…e tal como diz: semear o amor pelo cultivo dentro de nós!

Deixe um comentário