Receita de sabão natural com ervas aromáticas

Quem cultiva os seus alimentos para fins gastronómicos pode, de igual forma, colher inúmeras plantas e ingredientes do seu jardim e usá-las na produção de cosméticos naturais. Afinal, é mais fácil do que parece e os benefícios para a pele são inúmeros. Assim, neste artigo partilho uma receita fantástica de sabão natural de ervas aromáticas.

Mas poderão vocês perguntar: afinal, qual o significado de sabão “natural”? É certo que esta definição pode variar, mas, poderia dizer que para além do seu fabrico artesanal, é ainda aquele cujos ingredientes que podem ser tóxicos ou que são produzidos com substâncias e sob métodos por vezes questionáveis, são completamente excluídos da equação. Por isso, nesta receita de sabão natural (e em todas as outras) não é utilizado nenhum tipo de perfumes, corantes ou aditivos artificiais.

Antes de começar e, principalmente se este for o vosso primeiro contacto com a produção de sabão, há uma série de precauções e sérias recomendações que não podem ser desvalorizadas. Afinal, estamos a falar de química pura. Há mais do que um processo para a produção de sabão – este que vos trago é o processo a frio. É importante que cada passo seja seguido com rigor e atenção, portanto importa salientar que até os mais pequenos detalhes podem fazer a diferença.

Afinal, o que é o sabão natural e de que resulta?

Vamos então conhecer, de forma muito resumida, alguns conceitos essenciais e medidas de segurança necessários à produção de sabão. Fundamentalmente, a saponificação é uma reação química chamada hidrólise básica que ocorre entre um éster (gorduras e óleos) e uma base (hidróxido de sódio).

Sabão natural: o processo frio

O processo frio é um dos métodos de produção de sabão mais comuns que consiste em misturar hidróxido de sódio com água (destilada ou filtrada). Posteriormente, vão misturar novamente esta solução com óleos, até formar uma substância encorpada (quase à semelhança do “ponto de estrada” que temos como referência nos usos culinários).

Quais as medidas de segurança recomendadas neste processo?

  • Proteger os olhos com óculos
  • Usar luvas e vestir uma camisola de mangas compridas
  • NUNCA usar utensílios de alumínio
  • Trabalhar preferencialmente numa zona bem ventilado ou no exterior
  • Manter crianças e animais de estimação afastados

Vamos agora à receita de sabão natural de ervas aromáticas. Se têm uma pequena plantação de ervas aromáticas, poderão usar ervas tais como menta (hortelã-pimenta), erva cidreira ou hortelã vulgar, finamente picadas para esta receita, em conjunto com óleos essenciais de fragrância fresca.

Nesta receita, vamos usar apenas ervas aromáticas picadas. Poderíamos, por certo, fazer uma infusão destas ervas em óleo e depois usar na produção de sabão. Contudo, é necessário alguma precaução. Óleos essenciais e infusões de alecrim, hortelã e alfazema, por exemplo, são perfeitamente seguros para uso cosmético. No entanto algumas ervas poderão ter efeitos indesejáveis. Assim, é necessário conhecer bem as propriedades das ervas e dos ingredientes que vamos usar.

Se gostam de ervas aromáticas e querem explorar mais a sua utilização, espreitem este ebook – jardim de ervas aromáticas.

sabão natural de ervas

sabão natural de ervas aromáticas – a receita passo a passo

Os ingredientes necessários:

  • 124 gramas de água (destilada ou filtrada)
  • 62 gramas de hidróxido de sódio 
  • 136 gramas de óleo de coco
  • 23 gramas de manteiga de karité
  • 204 gramas de azeite
  • 91 gramas de óleo de girassol
  • 1 colher de chá de ervas aromáticas frescas finamente cortadas (alecrim, tomilho, erva cidreira, hortelã e alfazema).
  • 1 colher de chá de óleo essencial de alecrim
  • 1 colher de chá de óleo essencial de alfazema
  • 1 colher de chá de óleo essencial de hortelã 

Nota: É recomendável que, antes de se iniciar o processo, todos os ingredientes sejam medidos e que o espaço de trabalho seja organizado.

Quais os utensílios necessários?

  • Recipientes resistentes a calor (podem ser de vidro ou plástico)
  • Balança digital
  • Espátulas de silicone
  • Varinha mágica
  • Panelas de aço inoxidável
  • Colheres de medição
  • Molde de sabão
  • Termómetro

Nota: por mais tentador que seja minimizar os custos iniciais inerentes à produção de sabão, é recomendado não utilizar os mesmo utensílios que são utilizados para cozinhar, sob pena de haver resquícios de resíduos que prejudiquem a nossa saúde. É ainda preferível adquirir utensílios apenas para este propósito e, desta forma, garantir a nossa segurança e a de toda a família.

Sabão natural – passo a passo!

Passo 1 – Preparar a solução de hidróxido de sódio

Na maioria dos casos, este seria o passo número 2. Contudo, tenho tido maior sucesso invertendo a lógica por uma questão de controlo de temperaturas.

Em primeiro lugar e antes de começar, é importante usar proteção adequada, como óculos, luvas e até uma máscara, assim como garantir que estamos numa área bem ventilada. A mistura de hidróxido de sódio com água irá produzir calor e libertar alguns vapores, que não são, de todo, agradáveis respirar.

Enquanto isso, é ainda necessário preparar formas de arrefecer este preparado (um banho maria em água fria serve). Depois, com muito cuidado, verter os cristais de hidróxido de sódio para o recipiente com a água filtrada ou destilada (nunca o inverso), e mexer cuidadosamente. Por último, mergulhar o recipiente numa bacia com água fria, para acelerar o arrefecimento do preparado.  Idealmente, as temperaturas devem estar entre os 32ºC e 43ºC.

Para este primeiro passo, é importante usar proteção adequada – óculos, luvas e até uma máscara, assim como garantir que estamos numa área bem ventilada.

Passo 2- Misturar os óleos

Em segundo lugar, devem colocar numa panela os óleos sólidos (óleo de coco e manteiga de karité) e, em baixa temperatura, mexer até que estejam inteiramente derretidos. Depois disso, misturá-los com os óleos líquidos (azeite e óleo de girassol).

Passo 3 – Nivelar as temperaturas

Nesta altura já devemos ter, de um lado, o preparado de água com hidróxido de sódio e, do outro, a nossa panela com os óleos. Em suma, o que é pretendido aqui é que ambas as partes atinjam uma temperatura inferior a 38ºC, com um intervalo de diferença de 10ºC uma da outra.

Passo 4 – Criar o processo de saponificação

Esta é a parte pela qual ansiamos: verter cuidadosamente o preparado de hidróxido de sódio (passando-o sempre por um cuador, para garantir que nenhum resquício de hidróxido de sódio passa) para o recipiente que contém os óleos. Com a varinha mágica, mexer até que o preparado comece a engrossar e, tal como na culinária, a atingir algo semelhante ao “ponto de estrada”.

Passo 5- Adicionar as ervas e os óleos essenciais

Posteriormente, neste passo vão adicionar as ervas aromáticas picadas e os óleos essenciais e mexer até que esteja tudo uniformemente ligado.

Passo 6- Verter em moldes

Depois disso, é necessário escolher um molde. Pode ser, por exemplo, uma pacote de leite vazio onde vão verter o preparado. Assim, devem deixar repousar por 48h e, só depois deste período, é recomendado retirar a barra de sabão do molde e cortá-la.

Passo 7 – Deixar a curar

Por fim, após cortar em barras, deixar os sabonetes curar num espaço escuro mas arejado por, pelo menos, 4 semanas. Desta forma os sabonetes ficarão seguros e prontos para serem usados.

Espero que tenham gostado e que a vossa pele saboreie esta receita brevemente! 

sabão natural

Este artigo foi da autoria da Juliana Tavares, que é a formadora convidada do workshop de sabonetes naturais de ervas aromáticas. Se quiserem participar ou mais informação sobre este evento, cliquem aqui ou enviem pedido de informação!

“A minha aventura pelo mundo da saboaria artesanal surgiu, para além da imensa curiosidade à volta do tema, da vontade de querer fazer coisas mais simples, puras e manuais. Coisas que contrastassem com o frenesim e alvoroço do dia-a-dia. É o meu espaço de reinvenção, criatividade e prazer, e procuro partilhá-lo com todos aqueles que estejam interessados no tema. Sobre mim…27 anos, dona de duas gatas (que carinhosamente apelido de “irmãs Maluva”), digital marketing specialist de profissão, coralista, filha de pais fenomenais, irmã mais velha de dois jovens muito talentosos, e companheira de viagem de um funchalense peculiar e muito especial. ” Juliana Tavares

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *